Dia 22 de Maio de 2010


Finalmente chegamos á tão ansiada cidade Mexicana de Acapulco, embora a avistar a base Naval de Acapulco e qual será o nosso lugar de atracação durante a nossa estadia cá, já podemos ter um panorama, do que a cidade tem para nos oferecer, praias de águas quentes ao largo de toda a baía desta cidade a sul do México, no qual podemos achar um variado leque de lugares e actividades turísticas, como as falésias onde podemos desfrutar dos “Clavados” , parques aquáticos, mercados de artesanato e para não falar dos tão convenientes bares e discotecas, para desfrutar a vida nocturna da nossa cidade anfitriã, também durante o dia podemos alugar motas de agua (preço muito convidativo) ou desfrutar de um voo de para quedas rebocados por embarcações a motor, saltar benji etc…
Já no fim da nossa estadia nesta cidade maravilhosa, gastámos os últimos pesos num jantar com os camaradas mais chegados, não podendo deixar de degustar a tão famosa gastronomia Mexicana “burritos, tacos, enchilada, nachos, fajitas” acompanhada claro por algumas “coronas” extremamente gelada para atenuar a ardente sensação do mundialmente conhecido picante mexicano, feito a base de “chili, jalapeños “entre outros tipos de malaguetas.
Claro que não pode deixar ser tema de conversa o que nos espera para esta tirada até San Diego, inclusive já prevemos as tarefas de preparação de certo material, pois a ondulação e as correntes (a calema) que se fizeram sentir no porto, provocaram certos estragos na amarração, não é dos portos mais calmos e definitivamente não são as condições mais favoráveis para um navio deste género, mais uma vez o engenho as capacidades de resposta do marujo português foram postas a prova e demonstramos que conseguimos ultrapassar as dificuldades que nos aparecem inesperadamente, mesmo recorrendo a métodos e engenhos improvisados no momento.
Assim pois acabamos a nossa estadia neste porto que de alguma forma podemos chamar de hiperactivo, pois uma vez que cá chegamos torna-se praticamente impossível parar, e não é com desanimo que começamos esta nova tirada pois o porto que se avezinha certamente irá trazer algo de extraordinariamente bom, é o facto de alguns familiares de certos marujos desta barca regalarem os seus entes queridos com a sua visita e são pais, mães, esposas, namoradas e até sogras… que fazem esta travessia transatlântica para se reunirem com estes homens do mar.
Eram 10:40 quando o mestre apitou a faina geral de largada, estava na hora da partida, dá-se assim inicio a mais uma tirada de 1650 milhas que nos levará a San Diego, são agora 19:00 (o jantar vai sair), navegamos na posição 16058.76 N e 100050.26 W ao rumo 280 a uma velocidade de 7,5 kn (á maquina) o mar esse é nosso amigo continua calmo como o seu nome o indica “Pacifico”.

1 comentários:

liliana_sofia_s disse...

Não podia perder a oportunidade (pois fazem referencia ao porto de San Diego) e sendo eu uma das visitas, aproveito a “deixa” para dizer (escrever) umas palavrinhas de… entusiasmo! É que já é o pensamento dominante dos últimos tempos… “hiii já é daqui a um mês”, ou “10 dias”, ou “9”… “8”… “7”… “6”… “5”!!! LOL
Eu já nem sei se tenho mais saudades ou se tenho mais ansiedade...
Deixo então um abraço a todos na barca, em especial para os marujos do Grande. força, já falta pouco!
Beijinhos.. só pró contramestre Teixeira! :D
E como diz o slogan da tmn: "deita cá pra fora" ahhhh não é esse! É “atéé jáááááá!!”! :p